Essa semana, descobri uma daquelas diferenças entre a Zona Sul do Rio e a ZN ou suburbio que me deixou passada.

Quarta-feira, por volta das 08 pm faltou luz em várias quadras do Leblon, e eu como boa menina de ZN, me preparei e desci, fui pra calçada, conversar, galhofar com os vizinhos, como em qualquer falta de luz que acontecia no Grajaú, no Méier ou em Marechal Hermes (esse com direito até, a cadeiras na calçada).

Depois de descer as escadas no escuro, cheguei lá na portaria do prédio e fiquei chocada:

Não tinha ninguém lá embaixo!!!!

Ninguém pra fofocar, ninguém pra falar mal da Light ou do governo do Rio.

Cheguei a ficar triste. Tinha apenas o porteiro e um menino que mora no prédio, de uns 10 anos, que como a mãe ainda não tinha chegado do trabalho, não quis ficar sozinho lá em cima.

Esse pessoal da Zona Sul não sabe o que está perdendo. 😛

Fomos passear, jantar num lugar que tinha luz, e tirando a gangue que assalta usando História do Brasil, não tinha mais ninguém na rua. Como diria o namorido: lamentável! 😛

E eu hoje quero falar de Transportes Coletivos:

Fico pensando no que a gente tem que passar todos os dias pra ir trabalho/casa = casa/trabalho e percebi porque quando eu chego na Anel Um o meu humor já foi pro espaço: motoristas de ônibus e vans, fazem da minha manhã um filme de terror. E é sério! 😛

Ontem conversando numa lista, chegamos a conclusão que as vans Santa Cruz – Via Barra ou estão vindo ou indo pro inferno. O pagode tocando alto, o motorista que não para nos sinais e o “trocador” em pé, gritando: “dountaun, barra xópin, recreio, santa cruz” e o motorista lá na frente, continua ingornando todos as regras de trânsito conhecidas.

Dai tem os ônibus de tarifa normal, de R$ 1,50 (absurdo isso, cara), com os motoristas grossos, que tratam os passageiros mal, não tem paciência com os velhinhos e têm implicância com quem tem passe livre. São um pouquinho mais respeitosos com as leis de trânsito, mas são motoristas afobados, sabe? Daqueles que freiam em cima, e ficam acelerando parado só pra fazer pressão.

E agora existem os ônibus meio termo … heheheh os de R$ 1,80 a R$ 2,00. São podrões, mas ter ar-condicionado, o que que no verão do Rio, acredite, faz diferença. O problema desse é que a gente entra pela parte da frente, e portanto além do motorista e do trocador ficarem tirando sarro do pobre trabalhador que achou que podia pagar com vale descobrir que tem que completar e desistir de ficar no ônibus, ainda tem o problema que o motorista tem horas que ignora o sinal de parar e pula um ponto, deixando o passageiro, no fundo do ônibus possesso com isso tudo.

Claro, que sobraram os frescões … mas pelo menos aqui pra minha área, R$ 4,00 é muito caro pra vir em ônibus caindo as pedaços, com água do ar-condicionado pingando em você. E olha que semana passada eles tentaram aumentar pra R$ 6,00, não deve ter dado certo, porque baixaram o preço de novo.

Por iso que eu digo. Eu quero Metrô. Falem mal o quanto quiserem, mas é o transporte com ar-condicionado, relativamente seguro e que o “motorista” não pode abusar!